Adelmo e Márcio Jerry lançam pré-candidaturas à Deputados em Caxias


O pré-candidato a deputado Estadual, Adelmo Soares, PCdoB, apresentará em Caxias, Márcio Jerry, também do PCdoB, como seu Candidato a Deputado Federal.

Caxias é um importante colégio eleitoral, com mais de cem mil votos e com Adelmo Soares pontuando bem nas pesquisas, surgindo como força alternativa aos grupos existentes e com grande trânsito em São Luís e no governo Flávio Dino.

Adelmo Soares, optou em  fazer parceria com, Marcio Jerry, que alem de pré-candidato, ainda ocupará novamente a coordenação da campanha do Governador Flávio Dino. 

A parceria fortalece  muito Adelmo Soares, com o partido e principalmente com o governo Flávio Dino.

Márcio Jerry dispensa comentários é ex-secretário da SECAP, homem forte do governo  Flávio Dino.

A parceria entre, Adelmo e Jerry, é vista com muito bons olhos, tanto para Caxias como para as cidades vizinhas, como Coelho Neto, Duque Bacelar, dentre outras, que em um futuro não tão distantes, poderão contar com dois deputados, um na esfera estadual e outra na  federal eleito.

Segundo Adelmo, Márcio Jerry significa a força da renovação.

Você está convidado!
Será nesta sexta-feira, a partir das 19h, no Marília Eventos, em Caxias - MA. Adelmo Soares e seu grupo preparam este evento para lançamento oficial de suas pré-candidaturas.

Da assessoria, via Blog do João Osório

Aprovado o aumento no piso salarial de agentes comunitários de saúde e de combate às endemias


MP aprovada também regulamenta outros pontos da profissão, como obrigatoriedade de cursos de aperfeiçoamento. Antes de virar lei em definitivo, texto ainda precisa ser aprovado pelo Senado


Câmara dos Deputados aprovou na madrugada desta quarta-feira (11) a medida provisória (MP) que estabeleceu aumento de cerca de 50% no piso salarial de agentes comunitários de saúde e de agentes de combate às endemias.
Com a aprovação, o texto seguirá para o Senado. Por se tratar de MP, a medida já entrou em vigor assim que foi publicada pelo governo, mas, para virar uma lei em definitivo, precisa ser aprovada pelo Congresso e sancionada pelo presidente da República.
Originalmente, a MP previa o piso salarial em R$ 1.014. No entanto, durante a tramitação, o valor foi alterado para R$ 1.550, obedecendo ao seguinte escalonamento:
  • R$ 1.250,00 em 1º de janeiro de 2019;
  • R$ 1.400,00 em 1º de janeiro de 2020;
  • R$ 1.550,00 em 1º de janeiro de 2021.
O texto da MP torna "essencial e obrigatória" a presença dos agentes na Estratégia de Saúde da Família e na estrutura de vigilância epidemiológica e ambiental.
O projeto ainda estabelece que, a cada dois anos, os agentes comunitários de saúde e os agentes de combate às endemias passarão por cursos de aperfeiçoamento.
Durante a análise do projeto, pelo plenário da Câmara, agentes comunitários ocuparam as galerias da Câmara e aplaudiram a aprovação.

Por Alessandra Modzeleski, G1, Brasília

Relator do TRF-4 derruba liminar de desembargador e Lula segue preso

Gebran Neto determinou à PF que não libere o ex-presidente


SÃO PAULO. O desembargador João Gebran Neto, da 8ª Turma, decidiu manter na prisão o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, cancelando a liminar do desembargador plantonista no Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Ele determinou que a Polícia Federal não cumpra a decisão de soltura, pois caberia a ele, que é o relator do processo que condenou Lula a 12 anos e um mês de prisão, analisar o despacho.
por O Globo
08/07/2018 14:24 / Atualizado 08/07/2018 14:28

O relator da Lava Jato no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, desembargador federal, João Pedro Gebran Neto, acaba de derrubar a liminar do colega Rogério Favreto para libertar Lula neste domingo (08.07). Gibran diz que entende que não houve fato novo - que merecesse prosperar a decisão. Além disso, este caso não cabe uma decisão monocrática.

Gibran Neto diz ainda, que o colega desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, Rogério Favreto, foi induzido ao erro pela defesa de Lula.

TRF-4 manda soltar o ex-presidente Lula


Decisão é do desembargador federal Rogério Favreto. Lula está preso desde 7 de abril deste ano, após ser condenado em segunda instância na Operação Lava Jato.


Em decisão neste domingo (8), o desembargador federal Rogério Favreto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), com sede em Porto Alegre, decidiu conceder liberdade ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso desde 7 de abril deste ano em Curitiba. Lula foi condenado no processo do triplex, no âmbito da Operação Lava Jato, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.


O juiz Sérgio Moro afirmou que o desembargador não tem competência para mandar soltar Lula. De acordo com o magistrado, caso ele ou a autoridade policial cumpra a decisão deste domingo do desembargador, estará "concomitantemente" descumprindo a ordem de prisão do Colegiado da 8ª Turma do TRF-4.

O despacho determina a suspensão da execução provisória da pena e a liberdade de Lula. Favreto é desembargador plantonista é já foi filiado ao PT. Ele se desfiliou ao assumir o cargo no tribunal.

Em setembro de 2016, durante votação da Corte Especial do TRF-4, ele foi o único que votou a favor da abertura de um processo administrativo disciplinar contra Moro e por seu afastamento cautelar da jurisdição, até a conclusão da investigação.

"Cumpra-se em regime de URGÊNCIA nesta data mediante apresentação do Alvará de Soltura ou desta ordem a qualquer autoridade policial presente na sede da carceragem da Superintendência da Policia Federal em Curitiba, onde se encontra recluso o paciente", diz trecho da decisão.


Lula foi condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Ele é o primeiro ex-presidente do Brasil condenado por crime comum.

O petista se entregou à Polícia Federal no dia 7 de abril. O petista estava em uma sala especial de 15 metros quadrados, no 4º andar do prédio da PF, com cama, mesa e um banheiro de uso pessoal. O espaço reservado é um direito previsto em lei.

O desembargador sustenta que, já que o cumprimento ocorrerá em um domingo, que não é dia útil, se dispensa o exame de corpo de delito, se for de interesse de Lula.

Lula condenado

O ex-presidente é acusado de receber o triplex no litoral de SP como propina dissimulada da construtora OAS para favorecer a empresa em contratos com a Petrobras. O ex-presidente nega as acusações e afirma ser inocente.


Lula foi condenado por Moro na primeira instância, e a condenação foi confirmada na segunda instância pela 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).

A defesa tentou evitar a prisão de Lula com um habeas corpus preventivo no Supremo Tribunal Federal (STF), mas o pedido foi negado pelos ministros, por 6 votos a 5, em votação encerrada na madrugada de quinta.

Na tarde de quinta, o TRF-4 enviou um ofício a Moro autorizando a prisão, e o juiz expediu o mandado em poucos minutos.

Os advogados de Lula, porém, questinaram a ordem de prisão porque ainda poderiam apresentar ao TRF-4 os chamados "embargos dos embargos de declaração".

Depois, a defesa ainda tentou evitar a prisão com recursos no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e no STF, que também foram rejeitados.

Repercussão

O caso gerou repercussão.

"Esse habeas corpus traz como fato novo o poder de exercer o direito de candidato. Direito que está garantido na Constiuição. O desembargador entendeu que era relevante, um fato novo. Aliás, a prisão em segunda instância parece prisão preventiva, tem que estar fundamentada", disse a senadora e presidente do PT, Gleisi Hoffmann em sua página no Facebook.

LULA É PRESO POR CORRUPÇÃO E LAVAGEM DE DINHEIRO

Por G1 RS
08/07/2018 12h12

Momentos de terror resultaram em 6 pessoas mortas em cidade do Maranhão

Assassino fez quatro vítimas, em seguida foi morto com seu comparsa após serem linchados pela população.

O assassino, Marlon e seu companheiro (nome não divulgado), que foi linchado na primeira confusão, pela população.
Tudo aconteceu, na madrugada do último sábado, 30 de junho, em um festejo junino, da cidade, São João do Soter, que fica localizada à 413 km da capital maranhense.

As primeiras vítimas da tragédia foram, o secretário de Cultura da cidade, Cícero de Jesus Costa Rocha (ex-vereador e soldado reformado da PMMA), de 44 anos; o vereador Antônio da Conceição Aguiar, conhecido como “Totonho” (PTN), de 46 anos; e José Ferreira da Silva Júnior, conhecido como “Júnior do Nasa”.
Cicero Rocha, Antonio Aguiar e Júnior Nasa, foram as primeiras vítimas.
Tudo aconteceu em um festejo, que deveria ir somente até as 3h, como ultrapassou o horário, os policias pediram para desligar o som, mas o secretário interveio para que procedessem com a festa, pois ainda havia muita movimentação. A polícia teria alertado que o que ocorresse seria de responsabilidade do secretário.

Instantes depois, chegaram dois homens que passaram a discutir com um outro grupo, que saiu correndo diante de ameaças. O secretário, Cícero Rocha, se dirigiu ao homem, que estava descontrolado, para tentar acalmar os ânimos e foi alvejado a tiros. Na sequência, Totonho, foi em direção ao atirador e também foi atingido por disparos. O assassino saiu correndo e foi perseguido pelo “Júnior do Nasa”, que também foi baleado.

O assassino foi um rapaz, de nome, Marlon, que estaria acompanhado por seu comparsa. Após toda confusão, os dois tentaram se evadir do local, mas, no momento da fuga, o comparsa de Marlon, não conseguiu dar partida na motocicleta e acabou sendo dominado e linchado por pela população. O comparsa ainda foi socorrido e levado para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento), da cidade de Caxias, onde não resistiu e foi ao óbito.

O assassino, identificado apenas como Marlon, conseguiu fugir, embrenhou em um matagal, passando a ser procurado pela polícia.

No dia seguinte, o terror que deveria ter dado o fim, apenas continuaria. Em grupos de WhatsApp, pessoas da cidade divulgaram áudios, no qual, o pistoleiro rondava a casa dos familiares de ex-prefeitos de São João do Soter.

De acordo com a polícia, neste domingo (1º), a população e militares procuravam por Marlon e teriam o encontrado em uma área de matagal. O filho de Luíza Rocha (ex-prefeita da cidade), estaria no grupo e de acordo com a polícia, o jovem que foi identificado como Tássio Rocha, acabou morrendo durante um confronto contra o assassino, Marlon.
Tássio Rocha, filho dos ex-prefeitos de São João do Soter, morto no segundo confronto, contra, o assassino Marlon.
Tássio Rocha, o filho do casal de ex-prefeitos de São João do Sóter, Clodomir e Luiza Rocha, fora morto pelo criminoso que fez o maior derramamento de sangue jamais visto na cidade de São João do Sóter. Tassio Rocha, foi atingido com um tiro na cabeça dentro de um matagal, quando procurava, junto com populares, o criminoso que tava escondido na área. 

O tenente-coronel Márcio Silva Rogério, comandante do 2º Batalhão da Polícia Militar em Caxias-MA, sustentou a informação de que Marlon foi linchado e morto pela população logo após a morte de Tássio. Também disse que a polícia nada pôde fazer para evitar a morte dele e que a quantidade de policiais não poderia ter evitado as pessoas de procurarem por conta própria pelo suposto assassino.
"Lá na hora ninguém segura a população. A polícia pediu muito para ninguém entrar dentro do mato, mas infelizmente era muita gente. Nós éramos 12 policiais. A gente pediu para ninguém entrar e entraram por um outro lado onde estávamos.. então como a gente poderia conter a população? Eles encontraram o Marlon primeiro que a polícia. Quando chegamos já tinha acontecido os disparos porque foi rápido e não teve como evitar a situação", declarou o comandante.
Com informações do G1 Maranhão e Blog do Marcos Monteiro

Governo do Piauí retira site do ar em obediência à legislação eleitoral

Em imagem de reprodução oficial do site, mostra o Site Oficial fora do ar.

De olho no cumprimento da legislação eleitoral, o site institucional do Governo do Piauí já está parcialmente fora do ar. O governador Wellington Dias (PT) deve ser candidato à reeleição na eleição de outubro e as matérias relacionadas às ações da administração do governo de dele já foram retiradas do ar.


A medida antecipa o cumprimento à legislação que determina que no período eleitoral, entre 5 de julho e 07 de outubro, ocorra a limitação da publicidade institucional. Essa medida visa evitar que por já está no comando do governo, Wellington possa ser beneficiado com a propaganda oficial, saindo em vantagem em relação aos demais candidatos.

De acordo com o calendário eleitoral do Superior Tribunal Eleitoral (TSE), a partir do dia 06 de julho os agentes públicos da administração direta e indireta ficam proibidos de praticar várias condutas que possam ser consideradas como promoção pessoal.

O público e os servidores do Estado terão acesso apenas a informações como a agenda administrativa do governador, contracheque online e tabela de pagamento. As informações do Diário Oficial também ainda continuam acessíveis ao público.

De acordo com a lei eleitoral, três meses antes das eleições, os agentes públicos ficam proibidos de nomear, contratar ou de qualquer forma admitir, demitir sem justa causa, suprimir ou readaptar vantagens. Fica proibido remover, transferir ou exonerar servidor público, com algumas exceções.

Ainda são vedadas, a partir dessa data, a realização de inaugurações e a contratação de shows artísticos pagos com recursos públicos. 

O site do Governo do Piauí saiu do ar depois de reunião entre o governador Wellington Dias (PT) e os gestores. No encontro, ele pediu aos aliados, cuidados para evitar descumprimento da lei e possíveis ações eleitorais no futuro. 

“Pedimos atenção à lei eleitoral, especialmente, em relação àquelas obras que dependem de recursos da outra parcela do chamado Finisa I, que é o primeiro contrato com a Caixa Econômica que ainda falta liberar. Tivemos também orientações para os líderes porque vamos ter até o dia 06, quando é possível visitar e inaugurar obras. O apelo é para ninguém cometer crime eleitoral. Após esse período, qualquer manifestação, ato, qualquer inauguração ou visita às obras deve ter atenção. Isso pode colocar em risco para quem for candidato, a própria eleição, também cria problemas para o Estado”, destacou Wellington.

Fonte: Cidade Verde
Lídia Brito
lidiabrito@cidadeverde.com

Eleições 2018: pré-candidatos são proibidos de inaugurar obras a partir de julho



Faltando pouco mais de três meses para a eleição do dia 7 de outubro, os pré-candidatos devem ficar atentos ao calendário eleitoral. No mês de julho se iniciam prazos importantes. A partir do próxima sábado (07), os pré-candidatos ficam proibidos de participarem de inaugurações de obras. Veja algumas recomendações do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para o mês de julho ao final da matéria.

O governador Wellington Dias (PT) disse está atento ao prazo e demonstrou preocupação. Ele reuniu à equipe e pediu aos aliados cuidado e atenção para evitar possíveis crimes eleitorais.

A partir do dia 07 de julho, o governador não poderá participar da inauguração de obras. Fica vedada aos servidores públicos a prática de várias ações, como exonerar servidores públicos, demissão sem justa causa e realização de inaugurações ou contratar shows artísticos financiados com dinheiro público.

Wellington Dias afirma que a equipe precisa ficar atenta para evitar erros, que possam comprometer o futuro dos candidatos que possivelmente serão eleitos pela coligação. A orientação também passa pela aplicação dos recursos do empréstimo do Finisa, liberado pela Caixa Econômica Federal. Segundo o governador, a equipe jurídica orienta que os agentes já devem ficar atentos já a partir do dia 06.

“Fiz uma reunião com os parlamentares, tanto a bancada federal quanto a estadual. Vivendo a proximidade do calendário eleitoral em que há regras e limites. Colocamos a orientação explicando que, por exemplo, temos algumas ações que os órgãos estão trabalhando para garantir condições de pagamento até o dia 6 de julho. Trabalhamos com uma agenda com os órgãos. Tanto as orientações legais e técnicas como cronograma para os investimentos e aplicação por cada obra. São 14 órgão do Estado que estarão trabalhando para aplicação dos recursos de empréstimo em mais de 300 obras espalhadas em todo o estado do Piauí. Quando falo em todos é nos 224 municípios do estado do Piauí”, declarou.

A orientação passada pelo governador é para que a atenção seja redobrada no sentido de evitar ações futuras, que possa ameaçar a posse dos eleitos. Wellington destaca que mesmo com as restrições eleitorais, as obras não podem ser interrompidas.

“Pedimos atenção à lei eleitoral, especialmente, em relação àquelas obras que dependem de recursos da outra parcela do chamado Finisa I, que é o primeiro contrato com a Caixa Econômica que ainda falta liberar. Tivemos também orientações para os líderes porque vamos ter até o dia 06, quando é possível visitar e inaugurar obras. O apelo é para ninguém cometer crime eleitoral. Após esse período, qualquer manifestação, ato, qualquer inauguração ou visita às obras deve ter atenção. Isso pode colocar em risco para quem for candidato, a própria eleição, também cria problemas para o Estado”, destacou.

Segundo Wellington, o importante é que as obras continuem. “Há a necessidade de cumprir todas as regras. A boa notícia é que várias obras podem ser retomadas. Isso significa gerar emprego e renda e cumprir com metas para vários municípios. Obras que eram para terem sido feitas desde o ano passado, mas em razão desse vai e vem do contrato de empréstimo estavam paradas. Graças à Deus agora estão em andamento”, disse.

Recomendações do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a partir do dia 07 de julho de 2018: 

1. Data a partir da qual são vedadas aos agentes públicos as seguintes condutas (Lei nº 9.504/1997, art. 73, incisos V e VI, alínea a):

1.1. Nomear, contratar ou de qualquer forma admitir, demitir sem justa causa, suprimir ou readaptar vantagens ou por outros meios dificultar ou impedir o exercício funcional e, ainda, ex officio, remover, transferir ou exonerar servidor público, na circunscrição do pleito, até a posse dos eleitos, sob pena de nulidade de pleno direito, ressalvados os casos de:

1.1.1. nomeação ou exoneração de cargos em comissão e designação ou dispensa de funções de confiança;

1.1.2. nomeação para cargos do Poder Judiciário, do Ministério Público, dos tribunais ou conselhos de contas e dos órgãos da Presidência da República;

1.1.3. nomeação dos aprovados em concursos públicos homologados até 7 de julho de 2018;

1.1.4. nomeação ou contratação necessária à instalação ou ao funcionamento inadiável de serviços públicos essenciais, com prévia e expressa autorização do chefe do Poder Executivo;

1.1.5. transferência ou remoção ex officio de militares, de policiais civis e de agentes penitenciários.

1.2. Realizar transferência voluntária de recursos da União aos estados e municípios e dos estados aos municípios, sob pena de nulidade de pleno direito, ressalvados os recursos destinados a cumprir obrigação formal preexistente para execução de obra ou de serviço em andamento e com cronograma prefixado, bem como os destinados a atender situações de emergência e de calamidade pública.

Data a partir da qual é vedado aos agentes públicos das esferas administrativas cujos cargos estejam em disputa na eleição (Lei nº 9.504/1997, art. 73, inciso VI, alíneas b e c, e § 3º):

2.1. Com exceção da propaganda de produtos e serviços que tenham concorrência no mercado, autorizar publicidade institucional dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos federais, estaduais ou municipais, ou das respectivas entidades da administração indireta, salvo em caso de grave e urgente necessidade pública, assim reconhecida pela Justiça Eleitoral.

2.2. Fazer pronunciamento em cadeia de rádio e de televisão, fora do horário eleitoral gratuito, salvo quando, a critério da Justiça Eleitoral, tratar-se de matéria urgente, relevante e característica das funções de governo.

Data a partir da qual é vedada, na realização de inaugurações, a contratação de shows artísticos pagos com recursos públicos (Lei nº 9.504/1997, art. 75).

Data a partir da qual órgãos e entidades da administração pública direta e indireta poderão, quando solicitados, em casos específicos e de forma motivada, pelos tribunais eleitorais, ceder funcionários à Justiça Eleitoral (Lei nº 9.504/1997, art. 94-A, inciso II).

Regras para TV e rádio:

A partir deste sábado (30), as emissoras de rádio e televisão não poderão transmitir programas apresentados ou comentados por pré-candidatos às eleições gerais deste ano. A data está prevista no calendário eleitoral, aprovado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Segundo a Lei nº 9.504/1997, Artigo 45, Parágrafo 1º, a partir desta data, é vedado às emissoras de rádio e de televisão transmitir programa apresentado ou comentado por pré-candidato, sob pena, no caso de sua escolha na convenção partidária, de imposição de multa à emissora e de cancelamento do registro da candidatura.

Por Lídia Brito
Com informações da Agência Brasil e TSE

ONU faz alerta sobre aprovação de nova lei dos agrotóxicos no Brasil


Organização internacional enviou carta ao governo brasileiro em que aponta preocupações sobre a possível aprovação do projeto

A isenção de impostos dos agrotóxicos pode ser considerado um estímulo ao uso de defensivos, segundo a Organização(Foto: Pixabay)
A Organização das Nações Unidas (ONU) emitiu um alerta ao Brasil sobre à nova lei dos agrotóxicos que voltou à ordem do dia na Câmara dos Deputados nesta semana. A organização internacional demonstra a preocupação com o projeto de lei 6299/2002, de autoria do atual ministro da Agricultura Blairo Maggi. O texto flexibiliza as regras na venda e aplicação dos defensivos agrícolas, produtos químicos usados no controle de pragas e doenças que atacam os campos.
A carta é endereçada à diplomata Maria Nazareth Farani Azevêdo, ao ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira e ao presidente da Câmara, o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), e adverte que, caso o projeto seja aprovado, sete convenções internacionais assinadas pelo Brasil podem ser descumpridas.
Uma das preocupações apontada pela ONU é sobre a retirada de poderes dos órgãos de saúde e meio ambiente no processo de registro dos defensivos: “Existem preocupações de que a esmagadora capacidade financeira do lobby da agricultura poderia facilmente controlar as decisões adotadas neste novo arranjo institucional”.
A possibilidade de fabricação de agrotóxicos no Brasil para exportação sem que seja feito um registro no país também é criticada pela instituição que acredita que “os agrotóxicos podem ser exportados para países sem um sistema adequado de redução dos riscos”.
Outros pontos indicados pela organização são a isenção de impostos dos agrotóxicos, que pode ser considerado um estímulo ao uso dos defensivos, e também a falta de projetos que incentivem a redução do uso dos produtos.
“Nós manifestamos a preocupação de que as múltiplas alterações propostos ao marco legal e institucional existente referente aos agrotóxicos possam enfraquecer significativamente os mecanismos de proteção que são vitais para garantir os direitos humanos de agricultores, comunidades que vivem em torno de locais de aplicação de agrotóxicos, e da população que consumo os alimentos produzidos com base nestes produtos químicos”, afirma o documento.
FONTE: Revista Globo Ruralhttps://revistagloborural.globo.com/Noticias/Politica/noticia/2018/06/onu-faz-alerta-sobre-aprovacao-de-nova-lei-dos-agrotoxicos-no-brasil.html

Fábio Gentil deve declarar apoio à reeleição de Flávio Dino

Prefeito de Caxias, Fábio Gentil, junto com Governador do Maranhão, Flávio Dino.
O governador Flávio Dino (PCdoB) escancara as portas do Palácio dos Leões nesta segunda-feira (25) para recepcionar o prefeito de Caxias, Fábio Gentil (PRB), e mais uma leva de vereadores mais achegados ao atual mandatário municipal caxiense. A pauta oficial fala em reunião para tratar de uma série de novas obras e ações governamentais que serão executadas ainda este ano na Terra dos Poetas, por meio de parceria do Estado com a Prefeitura.

Entretanto, seria ingenuidade achar que a conversa entre um governador e um prefeito, em pleno período de pré-campanha eleitoral – quando se formatam e se consolidam as alianças eleitorais –, se resuma ao mero expediente político-administrativo, ou que temas da seara político-eleitoral estejam descartados. Óbvio que o comunista e o cabeludo tratarão, também, de eventuais alianças, o que, convenhamos, é natural, afinal, o mundo político está voltado para as eleições de outubro vindouro.

Por isso mesmo, aliás, alguns sabiás que gorjeiam por entre as paredes do Palácio da Cidade dão como certo que Fábio Gentil deva declarar, por esses dias, apoio à reeleição do governador Flávio Dino. Os dois líderes, inclusive, estariam, há tempos, alinhavando os últimos detalhes para consolidar a parceria político-eleitoral, o que ampliaria, evidentemente, a já bem-sucedida parceria que ambos têm mantido na seara político-administrativa, onde ambos entregarão, nesta terça-feira (26), mais uma série de obras, entre quilômetros de asfaltamento do ‘Mais Asfalto’ – desta feita o Estado investiu mais R$ 5 milhões em pavimentação asfáltica em ruas da cidade –; reforma do Farol do Saber; e construção de duas novas escolas, uma no Bairro Bacuri e a outra no Povoado Nazaré do Bruno.

Fonte: Blog do Ricardo Marques

Jovem é executado a tiros nas margens do Rio Parnaíba


Um jovem identificado como Ricardo Pereira Silva, 26 anos, morador de União-PI, foi executado a tiros no final da manhã deste domingo (03/06) nas margens do Rio Parnaíba, lado maranhense próximo a cidade de Coelho Neto-MA.

Segundo a polícia Civil, testemunhas que estavam do outro lado do Rio Parnaíba (Piauí) , relataram que a vítima chegou acompanhado do autor do homicídio no lado do maranhão, como se fossem atravessar para o piauí. Supostamente houve uma discussão entre eles que resultou na vítima sendo alvejada na mão e na cabeça. Foram ouvidos 04 disparos de arma de fogo, e o autor fugiu.

Com ele, a polícia de Coelho Neto encontrou uma quantia de R$ 185,00 (cento e oitenta e cinco reais) em espécie e o documento de uma motocicleta modelo Honda Bros-160, placa PIY-9491.

Policiais civis e militares estiveram no local em busca de mais informações que pudessem contribuir para identificação do autor do crime, mas até o momento não se tem pistas do homicida e nem da motivação do homicídio.

INFORMAÇÕES: Polícia Civil de Coelho Neto, Portal R10 Maranhão e Samantha Lima