Não há justificativa

6/12/2017 Richard Cabrera 0 Comments

NA CUECA. Emissários do IDAC recebem dinheiro na boca do caixa; observe a data de março de 2017: governo Flávio Dino
A questão envolvendo o governo Flávio Dino (PCdoB) e o Instituto de Desenvolvimento e Apoio ao Cidadão (IDAC) – acusado de desvios de R$ 18 milhões no setor de Saúde – se resume a uma situação básica: foi no governo comunista que se deram os saques na boca do caixa do grosso dos recursos desviados, segundo a Polícia Federal.


Os aliados do governador, seu secretário de Saúde e auxiliares do governo insistem em querer tirar a gestão comunista da polêmica. É impossível, diante das datas expostas nas imagens mostradas no Fantástico, da Rede Globo. Os saques efetivados foram todos no período de março a abril deste ano, ou pouco mais de um mês antes da operação da Polícia Federal.

Outra questão envolvendo o governo Flávio Dino na operação desbaratada pela Polícia Federal: o IDAC teve aumento de 110% em seus contratos com o estado somando nada menos que R$ 242 milhões com a gestão comunista.

Não convence, portanto, o que disse o secretário Carlos Eduardo Lula, em entrevista ao Fantástico, da Rede Globo, no último domingo, quando afirmou não haver como “detectar nenhuma irregularidade” porque o esquema tinha “fraude sofisticada”.

Tão sofisticado que conseguiu convencer o mesmo governo a aumentar contratos de R$ 18 milhões – todos auditados na gestão anterior, é bom ressaltar – em quase 15 vezes.

Claro está que o governo Dino não resolveu o problema porque não quis.

Da coluna Estado Maior, de O EstadoMaranhão via Marco Aurélio Deça

Postagens relacionadas

0 comentários: